7 Dicas Matadoras Para Secar Barriga

3538
secar barriga - engenharia fitness

Se o seu objetivo é secar barriga, você veio ao lugar certo. O excesso de gordura abdominal não é apenas feio, mas também extremamente perigoso para sua saúde.

Existem dois tipos de gordura que você tem em sua área abdominal:  a gordura subcutânea e a gordura visceral. A primeira situa-se abaixo da pele e acima dos músculos abdominais. A segunda é mais profunda e situa-se no abdômen abaixo da região dos músculos e em torno dos órgãos.

Tanto a gordura subcutânea como a gordura visceral na região abdominal são fatores de risco grave para a saúde. Mas a ciência tem mostrado que o excesso de gordura visceral é ainda mais perigoso do que a gordura subcutânea. Ambos os tipos de gordura aumentam muito o risco de doença cardíaca, diabetes, hipertensão arterial, acidente vascular cerebral, apneia do sono, várias formas de câncer e outras doenças degenerativas.

Embora perder gordura desta área possa parecer algo difícil, existem várias coisas que você pode fazer para reduzir seu excesso.

Veja então as 7 principais dicas trazidas pra você pelo Engenharia Fitness para te ajudar a secar barriga de vez.

1 – Elimine o Açúcar e Bebidas Açucaradas da Sua Vida (E Atenção aos Sucos de Fruta)

O açúcar comum geralmente contém frutose, que é uma substância associada a várias doenças crônicas quando consumida em excesso.

Incluem-se aqui doenças cardíacas, diabetes tipo 2, obesidade e gordura no fígado (1, 2, 3).

Diversos estudos mostram uma relação entre o consumo elevado de açúcar e o aumento da gordura abdominal (4, 5).

É importante ter em mente que não é só o açúcar refinado que pode levar ao ganho de gordura da barriga. Mesmo as fontes de açúcares “mais saudáveis” (como o mel, açúcar mascavo, etc) devem ser usados ​​com moderação.

Até os sucos de fruta tem que ser ingeridos com muita moderação.

Embora o suco de fruta forneça algumas vitaminas e minerais, a quantidade de frutose que um suco contém pode provocar resistência à insulina e promover ganho de gordura abdominal (6).

Além do mais, o suco de fruta é uma fonte de caloria líquida, que é fácil de se consumir em excesso e não satisfazer seu apetite da mesma forma que o alimento sólido.

2 – Beba Chá Verde Para Secar Barriga

O chá verde é uma bebida excepcionalmente saudável.

Além de conter cafeína, esse tipo de chá tem ainda uma substância chamada catequina, que, segundo estudos, parece impulsionar o metabolismo (7, 8).

Vários estudos sugerem que a catequina pode ser eficaz para a perda de gordura da barriga. O efeito pode ser reforçado quando o consumo de chá verde é combinado com exercícios físicos (9, 10, 11).


ATENÇÃO: Já conhece o nosso programa de emagrecimento chamado Em Forma Em 10? Foi seguindo as dicas desse programa que consegui EMAGRECER 20 kg e finalmente alcancei o CORPO DOS MEUS SONHOS! [CLIQUE AQUI] para saber mais.


3 – Fazer Refeições Ricas em Proteína

A proteína é um nutriente extremamente importante para o controle de peso.

A ingestão de proteína aumenta a liberação de hormônios relacionados com a saciedade, provocando a diminuição do apetite. Alimentos ricos em proteína também aumentam sua taxa metabólica e ajudam a manter a massa muscular durante o processo de perda de peso (12, 13, 14).

Muitos estudos mostram que pessoas que comem mais proteína tendem a ter menos gordura abdominal do que aquelas que fazem uma alimentação pobre em proteína (15, 16, 17).

Certifique-se de incluir uma boa fonte de proteína em cada refeição, como carne de boi, frango, peixe, ovos, queijo, proteína do soro de leite, proteína de soja ou nozes.

4 – Coma Bastante Fibra Solúvel

Fibra solúvel absorve água e forma uma espécie de gel que retarda o alimento enquanto ele passa pelo sistema digestivo.

Estudos mostram que esse tipo de fibra promove a perda de peso, ajudando você a sentir-se cheio e naturalmente a comer menos. Pode também diminuir a quantidade de calorias que seu corpo absorve dos alimentos (18, 19, 20).

Além disso, fibra solúvel pode ajudar a eliminar a gordura abdominal. Um estudo que observou mais de 1100 adultos descobriu que, para cada 10 gramas de aumento na ingestão de fibra solúvel, o ganho de gordura abdominal diminuiu 3,7% ao longo de um período de 5 anos (21).

Faça um esforço para consumir alimentos ricos em fibras todos os dias. Excelentes fontes de fibras solúveis incluem sementes de linhaça e de chia, couve, abacate, legumes e vegetais em geral.

5 – Diminua os Carboidratos

Reduzir a ingestão de carboidratos pode ser muito benéfico para perder gordura, incluindo a gordura abdominal.

Estudos indicam que dietas com menos de 50 gramas de carboidratos por dia causam perda de gordura abdominal em pessoas com sobrepeso e também em pessoas em risco de diabetes tipo 2 (22, 23).

Você não tem que seguir uma dieta extremamente restrita em carboidratos. Algumas pesquisas sugerem que simplesmente substituindo carboidratos refinados por carboidratos integrais não processados ​​você já pode melhorar a sua saúde metabólica e reduzir a gordura abdominal (24, 25).

6 – Fuja das Gorduras do Tipo Trans

As gorduras trans são criadas através da hidrogenação de gorduras insaturadas, como o óleo de soja.

Elas são encontradas principalmente nos alimentos altamente processados e industrializados, como algumas margarinas e biscoitos (bolachas).

Essas gorduras têm sido associadas à inflamação celular, doenças cardíacas, resistência à insulina e ganho de gordura abdominal em diversos estudos observacionais feitos em animais (26, 27, 28).

Um estudo que durou 6 anos descobriu que macacos que comiam uma dieta rica em gordura trans ganhavam 33% mais gordura abdominal do que os macacos que comiam uma dieta rica em gordura monoinsaturada (29).

Para ajudar a reduzir a gordura da barriga e proteger sua saúde, leia os rótulos dos ingredientes cuidadosamente e fique longe de produtos que contenham gorduras trans. Essas gorduras são frequentemente listadas como gorduras “parcialmente hidrogenadas”. Então fique de olho! 😉

7 – Evite o Consumo Exagerado de Álcool

O álcool pode ter benefícios para a saúde em pequenas quantidades, mas é seriamente prejudicial se você bebe demais.

Pesquisas sugerem que muito álcool também pode fazer você ganhar gordura abdominal.

Estudos relacionam o consumo excessivo de álcool com o aumento do risco de obesidade central – ou seja, o excesso de armazenamento de gordura ao redor da cintura (30, 31).

Reduzir o álcool pode, então, ajudar a reduzir o tamanho da cintura. Você não precisa parar completamente se você realmente faz muita questão, mas limitar a quantidade ao mínimo possível vai ajudar muito.


ATENÇÃO: Já conhece o nosso programa de emagrecimento chamado Em Forma Em 10? Foi seguindo as dicas desse programa que consegui EMAGRECER 20 kg e finalmente alcancei o CORPO DOS MEUS SONHOS! [CLIQUE AQUI] para saber mais.


E aí, gostou dessa dica? Fala pra gente nos comentários!

Grande abraço,

Saulo e Victor Faria

 

Referências

  1. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26178027
  2. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25639270
  3. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26856717
  4. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3151025/
  5. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22190023
  6. http://www.thelancet.com/journals/landia/article/PIIS2213-8587(14)70013-0/abstract
  7. http://ajcn.nutrition.org/content/49/1/44.abstract
  8. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26164000
  9. http://jn.nutrition.org/content/139/2/264.full
  10. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1756464611001162
  11. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1038/oby.2007.176/full
  12. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16950139
  13. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15466943
  14. http://jn.nutrition.org/content/143/5/591.long
  15. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22284338
  16. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15867303
  17. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17023705/
  18. http://jn.nutrition.org/content/130/2/272S.full
  19. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17092830
  20. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9109608
  21. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3856431/
  22. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC538279/
  23. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25527677
  24. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25477716
  25. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22826636
  26. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15051604
  27. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15781956
  28. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19584878
  29. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17636085
  30. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17885722
  31. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12888654

Comentários